Dicas práticas para planejar sua viagem ao Japão

***Post atualizado em 11/04/2017***

Como muita gente me escreve perguntando algumas recomendações básicas para planejar uma viagem, resolvi juntar aqui algumas dicas para facilitar os preparativos 😉

 

Passagens

Fique de olho pois vira e mexe tem promoção de passagem para o Japão, com valores finais abaixo de 3 mil reais. Os sites Melhores Destinos e Passagens Imperdíveis sempre têm boas dicas! Recentemente, eles divulgaram promoções da Aeroméxico e da Air Canada. Basta acompanhar e ser ligeiro na compra!

 

Visto

Obter o visto de turismo do Japão é muito simples e fica pronto em 2 dias úteis (talvez esse prazo mude, dependendo da época). Todas as informações estão nos sites dos Consulados, mas já vou adiantar algumas coisas por aqui para evitar confusões.

No site do Consulado de São Paulo, por exemplo, não fica muito claro onde você deve levar a documentação, se no CVJ – Centro de Visto Japonês (na Rua Augusta) ou no próprio consulado (no Top Center, na Av. Paulista). Como na página de Atendimento o CVJ consta em primeiro lugar, levei toda a papelada pra lá na semana passada, mas a atendente foi muito gentil em me dizer que o serviço seria mais caro do que no consulado.

O CVJ funciona como uma agência que intermedia o processo de visto. É o canal, por exemplo, para quem é de fora de São Paulo e não pode ir pessoalmente ao consulado, já que a agência pode receber e despachar todos os documentos via correio. É cobrada uma taxa de serviço de R$ 143,00, além da taxa do visto, de R$ 67,00. ***ATUALIZAÇÃO*** Em abril de 2016, o visto passou a custar R$ 79,00 ***ATUALIZAÇÃO #2*** Em abril de 2017, o visto passou a custar R$ 97,00.

Ou seja, se você está em São Paulo, vá direto ao consulado (não precisa marcar hora), munido de toda a documentação necessária, incluindo a passagem e a programação da viagem. Não é preciso levar as reservas de hotéis, basta preencher no formulário onde você pretende se hospedar, mesmo que seja na casa de um amigo ou parente. Preste atenção aos dias e horários de atendimento do consulado, pois, para o pedido de visto, só funciona em alguns dias da semana. Para ser atendida, esperei só uns 15 minutos. Levei até uns documentos extras, como meu visto anterior de estudos, mas eles nem consideraram. Tendo toda a relação na manga, dificilmente você terá algum tipo de problema. A taxa é paga em dinheiro, no momento da retirada.

Após a emissão do visto, você poderá entrar no Japão em até 3 meses, ou seja, não adianta solicitá-lo com muuuita antecedência. Como turistas, brasileiros podem ficar lá por até 90 dias.

 

Melhor época para ir ao Japão

Cada estação vai te mostrar um visual diferente. Mas, na minha modesta opinião, se puder evitar, não vá durante o verão. A não ser que o objetivo seja escalar o Monte Fuji, pois é só entre o começo de julho e meados de setembro que as trilhas estão oficialmente abertas, com o intuito de se evitar acidentes nos períodos em que há neve. 

VeraoemToquioPeachnojapao

O verão do Japão é surreal. As temperaturas beiram fácil 40 graus e você sua o dia inteiro, pois o nível de umidade é altíssimo! A sensação é de estar numa sauna constantemente e corre o risco de você não querer sair nunca mais dos ambientes com ar-condicionado. Com tendência a ter pressão baixa, eu sofri um pouco e prefiro não voltar pra lá durante essa época. 

PrimaveraemToquioPeachnoJapao

A primavera, como todos sabem, oferece um grande atrativo: o florescimento das cerejeiras, que é realmente muito lindo de se acompanhar. Se interessar, escrevi sobre o ritual do hanami (o ato de apreciar as flores) neste post. Só tome cuidado com o período da Golden Week (de 29 de abril a 5 de maio), um dos pouquíssimos feriados prolongados do Japão. Tudo fica mais cheio e mais caro.

OutonoemToquioPeachnoJapao

O outono é minha estação preferida. Adoro ver a coloração das folhas mudar, é lindo ver tudo em tons de vermelho, amarelo e laranja. Fora que, assim como na primavera, as temperaturas são mais amenas e é possível bater perna e turistar sem sentir nenhum mal-estar.

InvernoemToquioPeachnoJapao

O inverno em Tóquio até que não é tão terrível, com a mínima em torno de zero e -2 graus. Tendo um bom casaco, um par de luvas e botas com solado que não escorregue na neve, fica tranquilo de encarar. Se precisar, é só correr para alguma loja da Uniqlo para comprar umas roupas térmicas. Só preste atenção se tem aquecedor onde você vai se hospedar, já que a maioria das construções não prevê isolamento térmico – a maior queixa dos meus amigos da Suécia, Holanda, Noruega. Eu, como nunca fui acostumada com isso, me contentava com o aquecedor instalado no quarto rsrs.

Illumination Japan

Tokyo Midtown, em Roppongi

Quem gosta de iluminações natalinas, vai poder curtir o que os japoneses chamam de イルミネーション (lê-se irumineeshon, do inglês illumination). Não vá esperando meras cordas de luzinhas piscando em volta das árvores, pois, nesse quesito, os japoneses não estão pra brincadeira!! Mais informações aqui.

 

JR Pass

O JR Pass é um passe de trem da JR-Japan Railways, a maior companhia de trens do Japão. Com ele, você tem acesso a praticamente todos os trens da companhia (incluindo os trens-bala), alguns ônibus locais e a balsa para Miyajima, que também são operados pela JR. O passe tem a validade de 7, 14 ou 21 dias, contados a partir do dia da primeira viagem.

Detalhe importante: só quem vai com visto de turista pode comprar o JR Pass. Se você vai com visto de estudos, trabalho ou qualquer outro visto especial, infelizmente você não poderá aproveitar esse benefício.

O passe de 7 dias custa 29.110 ienes, algo como 260 dólares. Pode não parecer uma pechincha (ainda mais com o dólar custando quase 4 reais), mas vale muito a pena se você pretende ir de trem de alta velocidade entre uma cidade e outra, pois os bilhetes de shinkansen (trem-bala em japonês) não são muito baratos. Fazer ida e volta a Kyoto, saindo de Tóquio, custa 27.600 ienes e o bilhete do Narita Express (trem operado pela JR que te leva do aeroporto de Narita à algumas estações centrais de Tóquio) custa 3.020 ienes, pelo menos. Nisso já valeu a pena ter em mãos o JR Pass.

Mas isso varia caso a caso, pois, se for tomar outros tipos de trem sem ser shinkansen, talvez não valha a pena. Então, a decisão de comprar ou não o JR Pass vai depender do seu roteiro e de como você vai se locomover por lá.

Importante: o passe deve ser comprado antecipadamente, FORA DO JAPÃO. A relação de agências que vendem o bilhete está aqui: http://www.japanrailpass.net/area_06.html ***ATUALIZAÇÃO MARÇO 2017*** Os passes podem ser encontrados para compra no Japão, em quantidades limitadas, mas com preços mais elevados. Então, se puder, compre antecipadamente, fora país.

Lembrando que o passe vale também para as linhas da JR que circulam dentro das cidades. Em Tóquio, por exemplo, dá pra se virar muito bem tomando a Yamanote Line e outras linhas da companhia.

 

Onde se hospedar em Tóquio?

Geralmente, quem visita outras cidades além de Tóquio, acaba ficando com um tempo limitado na capital. Como a estação de Shinjuku, a maior do Japão, concentra várias linhas importantes, ficar pela região é muito prático. Mas claro que isso vai se refletir no preço, então a minha dica para poupar o tempo de deslocamento é ficar perto de alguma estação da linha Yamanote, a linha circular que percorre os principais pontos da capital.

800px-yamanote_line

 

O que é um ryokan?

Hospedar-se num ryokan é mais do que aconselhável se você quiser vivenciar uma experiência tipicamente japonesa. Trata-se de um tipo de acomodação que combina elementos bem tradicionais: ficar em quartos com piso de tatami, dormir no futon e não em camas, banhar-se águas termais (o famoso onsen), experimentar refeições servidas de um jeito maravilhoso e preparadas com os ingredientes locais e de acordo com a estação, além de perambular por todo os recintos do ryokan vestindo uma yukata (um kimono mais levinho). Omotenashi (hospitalidade, recepção) é a palavra de ordem! A forma com que você é recebido é realmente especial. Ir a dois também não é má ideia… 🙂

Refeição no estilo kaiseki servida no ryokan onde me hospedei, em Kamikochi

Refeição no estilo kaiseki servida no ryokan onde me hospedei, em Kamikochi

 

Sites úteis

Japan Guide

Em termos de informações práticas, o site japan-guide.com vai ser seu melhor conselheiro de viagem. Dicas de pontos turísticos, como chegar nas cidades, onde se hospedar, tarifas de passagens… tudo você encontra lá, de praticamente qualquer cidade japonesa. Além disso, eles mostram o calendário de previsão do florescimento das cerejeiras (hanami) e também fazem um relatório completo da variação de cores das folhagens de outono (koyo), de acordo com cada região. É muito prático, atualizado e completo.

Japanican

No japanican.com, é possível fazer reservas de hotéis e ryokans, tudo em inglês. O site mostra uma seleção de ryokans de acordo com a região (Monte Fuji, Kyoto, Nikko, Nara, etc) e isso facilita bastante a pesquisa. Além disso, é possível selecionar alguns filtros como “onsen ao ar livre” ou “onsen privativo no quarto” (viu só, bom pro romance! rsrs).

HyperDia

O HyperDia mostra com exatidão todos os horários de trens, formas de se deslocar entre duas cidades, custos e tempo. Usando junto com o Japan Guide, não tem furos!

Bom, acho que esse já é um começo pra você começar a sonhar com a sua viagem! E, claaaro, dicas de onde ir e o que fazer você vai encontrar aqui no blog! 😉

Produtora de conteúdo interessada em cultura e artes, juntei meu fascínio pelo país de origem dos meus avós com a minha paixão por compartilhar histórias para criar o Peach no Japão. Aqui vocês encontrarão devaneios sobre cultura japonesa, histórias de viagem e dicas que não estão nos guias 😉

Compartilhe:

Comentários

comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *